Aline Simonelli Moreira, Advogado

Aline Simonelli Moreira

Vitória (ES)
536seguidores34seguindo
Entrar em contato

Sobre mim

Advogada-sócia do escritório Brito & Simonelli Advocacia e Consultoria (www.britoesimonelli.com.br). Atua nas áreas trabalhista e previdenciária. Mestranda na UFES em Direito Processual. Pós-graduada em Direito Previdenciário pelo Complexo Educacional Damásio de Jesus e Pós-graduada em Direito do Trabalho pela FDV. Bacharel pela FDV. Professora da Pós-graduação de Direito Previdenciário da Estácio de Sá. E-mail: contato@britoesimonelli.com.br

Verificações

Aline Simonelli Moreira, Advogado
Aline Simonelli Moreira

Autor (Desde Apr 2016)

Comentarista (Desde Apr 2016)

Principais áreas de atuação

Direito do Trabalho, 25%

Conjunto de normas jurídicas que regem as relações entre empregados e empregadores, são os direit...

Direito Administrativo, 25%

É um ramo autônomo do direito público interno que se concentra no estudo da Administração Pública...

Direito Previdenciário, 25%

É um ramo do direito público surgido da conquista dos direitos sociais no fim do século XIX e iní...

Direito Público, 25%

Se refere ao conjunto das normas jurídicas de natureza pública, compreendendo tanto o conjunto de...

Comentários

(20)
Aline Simonelli Moreira, Advogado
Aline Simonelli Moreira
Comentário · há 3 anos
Olá Antonio! Fico feliz com a análise enriquecedora de seu comentário.
Compartilho do seu entendimento de que se trata uma prática eleitoreira, porém não a vejo de maneira totalmente negativa.

Quanto ao seu posicionamento de que a concessão do adicional de periculosidade somente premiaria os que intencionalmente dirigem moto, eu respeito, mas discordo. Não acho tão intencional essa motivação em dirigir motos, levando-se em conta a demanda das empresas de entregas, por exemplo, por entregadores com moto é muito maior do que entregadores com carro. Isso por conta do que já mencionei dos baixos custos e maior rapidez.

Acredito que a intervenção do Estado na estipulação do adicional de periculosidade contribui para desestimular a utilização de motocicletas para trabalho (aumentando o custo do serviço). É claro que isso gera inúmeras outras consequências jurídicas, nem todas favoráveis.

Do ponto de vista do trabalhador concordo que muitas vezes os trabalhadores em situações de risco se preocupam muito mais em receber um dinheiro a mais de periculosidade, do que minimizar seus riscos com acidentes de trabalho. É preciso mudar a mentalidade desses trabalhadores, contudo não vejo tantos esforços da sociedade como um todo - sindicatos, advogados, Justiça do Trabalho, MPT, etc.

Quanto à questão orçamentária que alegou no final de suas excelentes considerações, entendo que a solução se encontra na seletividade para a escolha da destinação do dinheiro público.

Bem, mais uma vez agradeço o seu culto comentário.
Abraço cordial.
Aline Simonelli Moreira, Advogado
Aline Simonelli Moreira
Comentário · há 3 anos
Olá Pablo!

Considero provável que o juiz aplique a lei da época dos fatos - tempus regit actum - , e com isso utilize o argumento que a lei prevendo o adicional de periculosidade para os motociclistas passou a existir posterior a data dos fatos.

Contudo, é possível alegar que o rol do art.
193 da CLT é exemplificativo. Algo semelhante ao previsto nessa juris no caso dos vigilantes:

"VIGILANTE. ARMA DE FOGO. ADICIONAL DE PERICULOSIDADE. O pagamento do adicional de periculosidade aos vigilantes é perfeitamente justo, uma vez que tais profissionais se submetem a situações de risco de vida constante, sendo suas atividades extremamente perigosas. A CF/88, em seu art. , XXIII, prevê o pagamento de adicional para as atividades penosas, insalubres ou perigosas, na forma da Lei. Apesar de referida Lei já existir para os casos de exposição a produtos inflamáveis e explosivos (art. 193, CLT), bem como, para as atividades que envolvam contato com eletricidade, tal não é excludente para que sejam outras atividades consideradas como perigosas, uma vez que devem ser levadas em consideração as situações reais, fáticas, das profissões para aferição da periculosidade envolvida, como é o caso dos vigilantes e empregados que trabalham com segurança, em especial com o manejo de armas de fogo, pois estes expõem-se constantemente à situações de risco às suas vidas e integridade física. O que define o perigo não são os materiais a que se expõem os trabalhadores e sim as situações fáticas de risco devida. Recurso do Reclamante conhecido e provido. (TRT 11ª R.; RO 00338/2009-012-11-00; Segunda Turma; Rel. Des. José Dantas de Góes; DOJTAM 16/11/2009, Indexador Lex Magister 30001009)"

Com isso, caso esteja advogando para o Reclamante, concordo com a emenda da inicial.

Abraços.

Perfis que segue

(34)
Carregando

Seguidores

(536)
Carregando

Tópicos de interesse

(27)
Carregando
Novo no Jusbrasil?
Ative gratuitamente seu perfil e junte-se a pessoas que querem entender seus direitos e deveres

Outros advogados em Vitória (ES)

Carregando

ANÚNCIO PATROCINADO

Aline Simonelli Moreira

Avenida Nossa Senhora dos Navegantes, 451, sala 704 - Vitória (ES) - 29050-335

(027) 3045-45...Ver telefone

Entrar em contato